dejavu 

DÉJÀ VU
ANDRÉ CARRILHO, prefácio e  legendas de Ferreira Fernandes
 

Antologia de cartoons de um dos mais prestigiados, premiados e internacionalizados autores de desenho de imprensa, que em Portugal publica, sobretudo, no Diário de Notícias. Nenhum momento importante, assunto premente ou personalidade notável dos últimos anos escapou ao seu olhar mordaz.

«Um dia, o jornal francês Libération perguntou a escritores de todo o mundo: «Porque escreve?» A melhor resposta foi a do português Lobo Antunes: «Porque não sei dançar como Fred Astaire.» Porque estou eu aqui a prefaciar? Plagio: porque não sei desenhar como André Carrilho. É tão mais fácil explicar as coisas com dois rabiscos – basta ter um imenso talento.  Como não tenho, continuo por meras palavras. Em 1974, em vésperas do nosso 25 de Abril, Salvador Puig Antich, militante anarquista espanhol, foi morto pelo regime franquista.

Será o último a ser executado pelo garrote vil. No primeiro aniversário da sua morte, na primavera de 1975, houve manifestações em Lisboa. Uma delas, de anarquistas, passou pela sede da companhia de avião espanhola Iberia e seguiu em frente. Mas, ao chegar à loja da companhia de aviação italiana Alitalia, a manifestação partiu-lhe as montras. Acho que foi nesse dia que conheci André Carrilho.» Do prefácio de Ferreira Fernandes.

 

Mais informação

 

ISBN
978-989-99462-6-2
23 x 28 cm
104 páginas
 
 
22,5 euros (desconto de 10% sobre o PVP 25 €)

 

 

Veja como encomendar.