Quadro Mulher Sentada 

O Quadro da Mulher
Sentada a Olhar para o Ar com Cara de Parva e Outras Histórias
Luís Afonso

 

LUÍS AFONSO regressa com seis contos, que insiste em classificar como «estúpidos». Trata-se, pois claro, de inexactidão poética, pois são o oposto: inteligentes no processo narrativo, com uma linguagem fresca e despojada até ao osso, que constrói personagens únicas a partir de um agudo sentido de observação. O QUADRO DA MULHER  SENTADA A OLHAR PARA O AR COM CARA DE PARVA E OUTRAS HISTÓRIAS enquadra-se, isso sim, na longa tradição do absurdo. No caso, um absurdo bem-disposto. Ainda que, mal a poeira da gargalhada assenta, se solte um perfume amargo.

Continuar...

 

 

MM 320x400 

REVISTA DE IMPRENSA
Os MÃO MORTA na narrativa mediática (1985-2015)
 
Selecção e prólogo de Adolfo Luxúria Canibal

 

De forma pouco convencional, ADOLFO LUXÚRIA CANIBAL resolveu mergulhar em 30 anos de recortes e deles retirar um conjunto (mais de 200 artigos, de mais de 100 autores) que traça uma biografia pouco autorizada dos MÃO MORTA. São mais de 350 páginas – que incluem ainda o portefólio fotográfico de José Pedro Santa Bárbara e 3 desdobráveis com memorabilia – que traçam um retrato muito peculiar, não apenas da mítica banda, mas também do panorama musical ao longo destes anos, com as suas modas, palcos e publicações. E, claro, nas entrelinhas, algo fica do país que fomos sendo.

Continuar...

 

 

dejavu 

DÉJÀ VU
ANDRÉ CARRILHO, prefácio e  legendas de Ferreira Fernandes
 

Antologia de cartoons de um dos mais prestigiados, premiados e internacionalizados autores de desenho de imprensa, que em Portugal publica, sobretudo, no Diário de Notícias. Nenhum momento importante, assunto premente ou personalidade notável dos últimos anos escapou ao seu olhar mordaz.

«Um dia, o jornal francês Libération perguntou a escritores de todo o mundo: «Porque escreve?» A melhor resposta foi a do português Lobo Antunes: «Porque não sei dançar como Fred Astaire.» Porque estou eu aqui a prefaciar? Plagio: porque não sei desenhar como André Carrilho. É tão mais fácil explicar as coisas com dois rabiscos – basta ter um imenso talento.  Como não tenho, continuo por meras palavras. Em 1974, em vésperas do nosso 25 de Abril, Salvador Puig Antich, militante anarquista espanhol, foi morto pelo regime franquista.

Continuar...

TAP 3d 320x430 

TAP PORTUGAL:  IMAGEM DE UM POVO
Identidade e design da Companhia Aérea Nacional
AUTORES VÁRIOS

 
A exposição Tap Portugal: Imagem de um Povo perpetua-se para memória futura através da presente publicação. Além de incluir várias perspetivas da exposição e uma seleção representativa dos objetos expostos, organizados nos respetivos núcleos, o resultado é muito mais do que um catálogo. Convidámos destacados especialistas, de diferentes formações e percursos profissionais, a partilharem o seu olhar sobre a TAP . Damos a conhecer a dimensão, o significado e a história da TAP , tal como valorizámos o trabalho dos nossos designers, artistas e agências de publicidade que muito contribuíram com a sua criatividade e visão para a identidade da TAP e para a consolidação da imagem de um povo, e do seu país, além-fronteiras.

Continuar...

Altas  vozes 

ALTAS VOZES
Brincas de Évora: Práticas Contemporâneas
 

ISABEL BEZELGA

COM SEPARATA «OS FUNDAMENTOS DAS BRINCAS DE ÉVORA», DE RAIMUNDO JOSÉ LOPES, RECOLHA DE LUÍS DE MATOS


Este livro, bem como a sua separata «Fundamentos das Brincas de Évora», inserem-se num programa articulado de divulgação que decorre da necessidade de dar a conhecer e conferir visibilidade a uma antiga tradição performativa da região de Évora: As Brincas Carnavalescas. Aparentada com outras tradições performativas nacionais e internacionais (Auto de Floripes do Minho,  Danças dramáticas da Terceira, Tchiloli de São Tomé, Bumba meu Boi e Cavalo Marinho de múltiplas regiões do Brasil), a Brinca é constituídas por um grupo de homens e rapazes que vai soltando décimas numa cadência ritmada bem audível e, dessa forma, contam uma antiga história (fundamentos), cantam e evoluem coreograficamente no espaço.

Continuar...

mar 320x488 

O CORAÇÃO
NO MAR
 

AUTORES VÁRIOS, ESCOLHIDOS POR FRANCISCO JOSÉ VIEGAS


Estaremos sempre sentados frente ao mar, de livro na mão: num cais de pesca, prestes a sair para a faina; de viagem em cruzeiro de longo curso; a subir na ponte em direcção a um qualquer convés; a tomar o peso do cordame de um iate; a sopesar com o olhar uma âncora e por aí fora sem parar.

Continuar...

roturas 320x420 

Roturas e
Ligamentos
Rita Taborda Duarte
André da Loba

 

Um livro único que reúne pelo cordão umbilical da palavra dois extraordinários criadores em plena maturidade, apresentado por Ana Marques Gastão assim:
«ROTURAS E LIGAMENTOS, livro do corpo, livro-corpo, de RITA TABORDA DUARTE e de ANDRÉ DA LOBA, pode ser lido como um itinerário de articulações, as mais aparentes e as mais profundas, as que conectam os ossos e as que são subjacentes ao discurso e ao desenho, conferindo-lhes uma relação de sequencialidade ou de especificação semântica. Religam-se nomes, dispõem-se verbos, conjugam-se palavras, letras, sílabas, atribui-se uma função representativa à linguagem, que destapa uma rede de significações (…)

Continuar...

Viagens à Ficção Hispano-americana 

Viagens à Ficção Hispano-americana
ANTÓNIO MEGA FERREIRA

 

Em finais dos anos sessenta do século passado, a cena literária ocidental foi invadida por um movimento generalizado de interesse pela literatura americana escrita em espanhol. Foi aquilo a que depois se convencionou chamar o boom latino-americano e, em termos de perceção pública internacional, alicerçou-se no sucesso imediato que acolheu a publicação, em 1967, de uma obra fantástica, torrencial, inclassificável: Cem Anos de Solidão, do colombiano Gabriel Garcia Márquez.

Continuar...

JoaoTabarra Biotope 320x427 

Biotope
João Tabarra, com textos de Nicole Brenez, Pascale Cassagnau, Elisabeth de Fontenay e Stéphane Bou

 

«Em Biotope, como noutras exposições, João Tabarra continua a confrontar-se com o deserto, com a melancolia, com a desqualificação das imagens, propondo o múltiplo e o excesso da potência ficcional (veja-se a sombra que ilumina o fundo aquático de Miroirs grotte) para exceder a morte e desafiar o poder de todas das dominações. Neste caso, a dominação de todos os seres viventes pela tragédia do homem.»

José Marmeleira, in Público

Continuar...

 

Um Espião na
Casa do Amor
E da Morte
ANTÓNIO CABRITA

 

Amor, sequestro e violência na rota da “seda”, ou a Quarta Guerra Mundial. Um livro que aborda a “violência de género” com o fragor de um tsunami que não deixa sequer intactos os esqueletos no armário e que relata, interroga, analisa os métodos de como, a conta-gotas, no mundo de hoje se vilipendiam, agridem e matam as mulheres, numa deriva do sangue por uma geografia infindável. De África aos “brandos costumes” portugueses e às cobardes proezas dos violadores do Estado Islâmico, neste pungente punhado de estórias com mulheres violentadas dentro, ANTÓNIO CABRITA produz uma reportagem-manifesto que não se quer indiferente, na qual associa à sua técnica de jornalista a reflexão do ensaísta e a sua arte de narrador. Um livro forte, que não se esquece.

Continuar...

k3DFace 320x481 

Resta Ainda
a Face
Helder Macedo

 

Escolha e posfácio de

Paulo José Miranda


RESTA AINDA A FACE é uma antologia de 32 poemas de amor, escolhidos e posfaciados por Paulo José Miranda. Uma leitura ensaística que homenageia HELDER MACEDO nos seus 80 anos: «A vida é breve para tanta consciência de um só corpo, devolvendo novamente a primazia do amor sobre a vida. E a consciência aparece claramente aqui em forma de «soletrar o mundo». Mas o amor só está acima da vida porque há vida, porque há corpos. Muitos poetas cantaram o amor. Cantam ainda o amor. O amor pela amada ou o amor perdido ou ainda o amor nunca encontrado. Mas HELDER MACEDO canta o amor que nasce na vida e pela vida.»

Continuar...

 

 

Lisbon Blues
José Luiz Tavares

 

Embora inédito, LISBON BLUES é um livro escrito há muito, por alturas da chegada do autor à cidade que encontrou “pintada” desta maneira tão peculiar. Como bem notou António Cabrita, «o verdadeiro resgate deste livro é a sua consciência crioula, mestiça, o entrelaçado dos seus veios no ladrilhado dos seus versos. Ao jeito de uma bebinca. Expliquemo-nos. Temos a camada da Lisboa empírica, a da locomoção e vivência do poeta: as noites, engates, itinerários, passeios, eléctricos, turistagens, desejos, expectativas e rasgões deceptivos no plano existencial, o recorte da vida; depois temos, noutra camada, isso confrontado com a memória da Lisboa dos poetas que o poeta lê – Cesário, Vitorino Nemésio, Armando Silva Carvalho, o inevitável Pessoa, etc.  –,  a tradução literária –;

Continuar...

Derradeiro 320x486 

 

Derradeiro
Suspiro Real
JOSÉ NAVARRO DE ANDRADE

E se às primeiras horas da tarde de 4 de outubro de 1910 o major Paiva Couceiro, num arroubo temerário, tivesse carregado sobre a Rotunda, desbaratado os revoltosos republicanos? É neste postulado que a presente novela se firma para descrever a continuidade e as transformações da Monarquia nos anos seguintes. Provavelmente as surpresas seriam muitas e porventura a maior delas todas tivesse sido a inexistência de grandes variações.

Continuar...

3D-DJOAOII 286x470 

 

Príncipe Perfeito
Rei Pelicano, Coruja e Falcão
CARLOS QUERIDO

D. João II morreu há quatro anos. Na Sé de Silves exuma-se o cadáver com vista à trasladação para o Mosteiro de Santa Maria da Vitória. Um sobressalto percorre os altos dignitários do reino: o corpo do monarca mantém-se incorrupto. Milagre!, grita-se nas ruas. Peçonha, sugere um conceituado físico, que procura no envenenamento uma explicação para o não apodrecimento do corpo sem vida, descrente da santidade de um monarca implacável com os inimigos, que não hesitou em apunhalar o irmão da rainha.

Continuar...

O Quarto Trancado Onde Nem a Morte Entrava 

 

O Quarto Trancado Onde Nem a Morte Entrava
Ricardo Ben-Oliel

 

Este vem de fora da Europa, da calma e segura Europa das últimas décadas. E tal como algumas profissões nos ficam coladas à pele – «Era ele o magistrado-mor. Ou melhor, fora-o durante o tempo de uma vida; e quando tal acontece, é sabido que a função fica colada à pele como a crosta de uma insarável ferida.» – também um país ou uma zona geográfica nos fica colada à língua, quando aí vivemos mais de quarenta anos, como é o caso de RICARDO BEN-OLIEL em Israel. Se Israel é um singular país numa singular região do planeta Terra, também este livro de contos se apresenta único no panorama da nossa literatura: uma linguagem estranha, precisa e bela como nunca se viu em português.

 

Continuar...

K3DEleicoes 320x 

 

As Eleições que Ninguém Queria Ganhar
FERREIRA FERNANDES

 

Durante o mês de agosto – todos os dias, respeitando o descanso de domingo, porque inventar também cansa – o jornal Diário de Noticias publicou um folhetim de verão contando o setembro que vinha a seguir: AS ELEIÇÕES QUE NINGUÉM QUERIA GANHAR. Como o seu nome indicava não era sobre os mistérios da estrada de Sintra. A trama era inventada, como costume nos folhetins, mas era sobre política. Tratou-se, pois, de uma ficção política. O autor começou por ser Anónimo, mas acabou revelado como FERREIRA FERNANDES.

 

Continuar...

Caravaggio  

 

O Último Rosto de Caravaggio
Rui Vieira

 

O leilão pela Christie’s de um desconhecido Caravaggio e a exposição, na National Gallery, de doze dos principais quadros do célebre pintor em que a figura da mulher se sobrepõe à pintura, são o mote para o livro de RUI VIEIRA, que celebra o 10.º aniversário da sua vida literária. Quando a responsável pela autenticação da tela leiloada conhece alguém que se diz ser Caravaggio e a faz viajar pelo interior dos quadros que julga conhecer ao raio-x, tudo em que acredita pode ser posto em causa. Até a coincidência do seu nome com umas das principais modelos de Caravaggio – a prostituta Fillide de Melandroni – pode ser a partida para uma nova interpretação do enigma da arte (e do amor). Com a rigorosa sobreposição de diálogos, tempos e imagens a que escrita de RUI VIEIRA nos habituou, O ÚLTIMO ROSTO DE CARAVAGGIO interroga como personagens a luz e o corpo, a decadência e a morte, a criação e o sexo, a religião e o génio.

 

 

Continuar...

Pelos Leitores de Poesia 

 

Pelos Leitores de Poesia
Filipa Leal
 

Revisitando a boa tradição dos manifestos, FILIPA LEAL intervém em defesa da sua dama-poesia desferindo com o sabre da ironia golpes certeiros no estado das coisas (também poéticas). Um texto lapidar que tem sido lido por todo o país em encontros, festivais e outros salões literários.

 

«Os poetas odeiam trabalhar em escritórios. Vestem-se mal e acreditam em tudo o que lhes dizem. Puxa-lhes o pé para a metáfora. Se os poetas fossem controladores aéreos, haveria tráfego de andorinhas. O ideal para um poeta é estar desempregado. Em nome da segurança pública.»

 

Continuar...

kgrecia 

 

O Sobressalto Grego
PEDRO CALDEIRA RODRIGUES

 

Abordagem à turbulenta história da Grécia do século XX, com atenções centradas nos anos mais recentes, em particular a partir de dezembro de 2008, quando após a morte de um adolescente pela polícia – que provoca tumultos sem precedentes por todo o país –, à crise económica se associa uma grave crise política. Depois, foi o tempo dos memorandos de entendimento, dos governos “tecnocratas” e de “união nacional”, das políticas de austeridade, dos protestos sociais, que culminam com a vitória do SYRIZA nas legislativas antecipadas de 25 de janeiro e no referendo de 5 de julho de 2015, com as respetivas consequências imediatas expressas no “acordo de Bruxelas” de 13 de julho. Um contributo que inclui variados testemunhos, recolhidos por PEDRO CALDEIRA RODRIGUES, jornalista da Editoria Lusofonia / Mundo da Agência LUSA, no decurso das reportagens efetuadas na Grécia nos “anos de crise” (novembro de 2011, fevereiro de 2012, janeiro de 2015 e junho e julho de 2015), acompanhados por mapas e quadros sobre a evolução dos resultados eleitorais desde o regresso da democracia em 1974, além de uma cronologia.

 

Continuar...

trama 

 

Trama
João Fazenda

 

Traço ponto traço
João Paulo Cotrim

 

Talvez no início tenha sido o esboço, uma primeira tentativa para revelar a luz oculta sobre um imenso borrão. Pouco importa, o que aqui interessa é que estas páginas permitem entrar na oficina e ver o artista a trabalhar. Ou seja, permite-nos entrar na intimidade, guiados pela espontaneidade, com o seu alinhamento de hesitações, de mimetismos, de ideias, de experiências, de obsessões. Este livro contém uma única palavra, ainda por cima desenhada: Trama, isto é, a linha narrativa que une os fragmentos de uma história. Mas haverá por aqui alguma história a não ser a do olhar de João Fazenda, um dos mais produtivos e desafiantes produtores de imagem da actualidade? Mas Trama também podem ser os fios que, entrelaçados, constituem um tecido. E que outras malhas por aqui se tecem a não a ser as do gesto de desenhador de João fazenda, que combina de modo único traço e mancha, forma e espaço? Trama é ainda a velha rede de pontos que permitiam iludir-nos com a impressão das cores. Ora João Fazenda trama-nos aqui porque nos faz ver as cores do mundo num livro a preto e branco. Fascinante.

Continuar...